Bem-vindo(a)!

Exponho aqui um pouco daquilo que tem a ver com a minha produção diária. Cada publicação, uma novidade: poesias, notícias, pensamentos, reportagens…

No corpo, na alma e no coração RSS

A derrota moral dos gorilas

Por Isaac Ribeiro | Categoria(s): Política | 06/07/2009 às 21:42

Manifestantes vão ao aeroporto de Honduras para apoiar o retorno de Zelaya (Foto: Eduardo Verdugo/AP)

Manifestantes vão ao aeroporto de Honduras para apoiar o retorno de Zelaya (Foto: Eduardo Verdugo/AP)

O amigo Daniel Valença escreveu por emeio o texto 05 de julho, o dia da derrota moral dos gorilas e, como eu também acompanhei o domingo em Honduras via TeleSUR, faço das palavras dele as minhas.

“Há poucos minutos [noite de domingo] tive o (des)prazer de assistir a ação dos gorilas (como são chamados os militares golpistas) de Honduras. Duas pessoas foram assassinadas pelo exército, sendo que um rapaz de 16 anos morreu com um tiro na testa.

Assisti a tudo através do sítio da TV Telesul, http://www.telesurtv.net/solotexto/senal_vivo.php (que transmite via internet os programas da emissora), já que as empresas de TV brasileiras, que outrora apoiaram um golpe no Brasil, estão atualmente mais preocupadas com a morte de Michael Jackson.

O presidente constitucional Zelaya regressava a Honduras acompanhado pelo presidente da Assembleia Geral da ONU, Miguel D’Escoto, e do secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, para reassumir a presidência, após estes órgãos condenarem o golpe.

Quando o avião apareceu no céu do aeroporto, foi ovacionado por milhares de hondurenhos, os quais sofreram forte repressão do exército que, por incrível que pareça, não apenas disse que abateria o avião, caso não se desistisse de aterrissá-lo, como também posicionou caminhões ao longo da pista para impossibilitar o pouso.

Zelaya não conseguiu pousar. Mas foi um episódio desmoralizante para os golpistas hondurenhos, em uma sequência de causar inveja a qualquer defensor da ‘ditabranda’ brasileira: cortaram o sinal e detiveram a equipe da Telesul; desenhos animados tomaram conta dos grandes meios de comunicação para omitir o golpe e a revolta popular; os empresários, em apoio ao golpe, disseram não estarem preocupados com as sanções econômicas porque podem abastecer o país por mais seis meses (e pelo visto, estão menos preocupados ainda com os seus compatriotas assassinados pelo exército), etc.

Mais uma vez, grandes empresários, militares e meios de comunicação, se uniram quando as urnas não estavam de seu lado. Nada diferente do cenário dos países latino-americanos nas últimas décadas.

Mas, pelo que deu para ver hoje, dificilmente os camponeses, índios, trabalhadores, que constituem a massa de um dos países mais pobres da AL, deixarão que os gorilas e a elite que os apoia governem impunemente.”


Tópicos Relacionados

Escreva um comentário